Striketober: a classe trabalhadora dos EUA começa a se mover

Os EUA foram atingidos por uma onda de greves neste mês de outubro (Striketober) em diversos setores: da saúde à construção, da carpintaria à mineração de carvão, da mídia às comunicações, dos salgadinhos à produção de cereais. Ao todo, 100 mil trabalhadores votaram pela greve.

[Source]

Os velhos burocratas sindicais minaram algumas dessas lutas, mas estão lutando contra a crescente militância de uma classe trabalhadora que não está disposta a arcar com o fardo econômico da crise pandêmica enquanto os lucros dos patrões disparam.

O profundo deslocamento econômico dos últimos 18 meses está sacudindo o sistema e preparando o cenário para uma virada na luta de classes norte-americana.

Maré alta

Tendo arriscado suas vidas e feito sacrifícios colossais, os profissionais de saúde agora estão exigindo o que lhes é devido. Vinte e quatro mil enfermeiras e outros funcionários do consórcio Kaiser Permanente, na Califórnia, votaram pela greve este mês, junto com outros 10 mil trabalhadores de saúde empregados pela Kaiser em Oregon.

Isso foi em resposta a um novo contrato que combinava um irrisório aumento salarial de 1% para o pessoal existente, com um corte entre 26 e 39% para as novas contratações.

O chamado sistema de dois níveis (uma característica cada vez mais comum no mercado de trabalho dos Estados Unidos) permitirá que os patrões coloquem setores da força de trabalho uns contra os outros em uma corrida geral para o fundo do poço. Enquanto isso, a Kaiser registrou lucros de US$ 3 bilhões no segundo trimestre de 2021.

Cerca de 2,5 mil enfermeiras e funcionários de hospitais, empregados pela empresa sem fins lucrativos Catholic Health, também saíram em Buffalo, Nova York, em resposta à falta de pessoal, aos baixos salários e aos ataques às pensões. Essas greves se somaram à greve em andamento das enfermeiras no Hospital St. Vincent em Worcester, Massachusetts.

A pandemia de Covid-19 atingiu os Estados Unidos de maneira particularmente forte, graças à total incompetência e às políticas imprudentes do sistema.

Como consequência, os profissionais de saúde foram colocados sob forte pressão em enfermarias lotadas. “Não houve hora extra, não houve pagamento de periculosidade”, disse um ex-trabalhador de saúde ao Guardian, que descreveu 2020 como um borrão de turnos contínuos de 24 horas.

Essas condições intoleráveis, combinadas com 3,6 mil mortes de profissionais de saúde devido à Covid-19, resultaram em uma escassez crítica de pessoal. Isso colocou uma pressão ainda maior sobre os que ficaram, especialmente com a variante Delta, levando a uma nova onda de casos neste verão.

Temos pessoas esgotadas, reclamando de problemas de saúde mental e de PTSD [transtornos de estresse pós-traumático]. Como sindicato, estamos em uma situação de preocupação com o futuro da enfermagem”, disse Denise Duncan, presidente da United Nurses Associations/Union of Health Care Professionals, da California.

Enquanto isso, a reabertura da economia fez com que a demanda explodisse em alguns setores; mas, enquanto os patrões ganham dinheiro, os trabalhadores são empurrados ainda mais para a pobreza e a precariedade.

Por exemplo, a John Deere – fabricante de equipamentos agrícolas – espera arrecadar US$ 6 bilhões em lucros este ano. Esse aumento de 61% fez com que o CEO, John C. May, se recompensasse com um salário anual de US$ 15 milhões – 220 vezes o salário de um funcionário médio.

O último contrato apresentado aos trabalhadores, em 12 de setembro, propôs salários que mal acompanham o aumento da inflação, além de aumentar os custos com saúde, acabar com uma moratória no fechamento de fábricas, minar os prazos de aposentadoria para novas contratações e reduzir as oportunidades de horas extras.

Chris Larsen, um ativista do United Auto Workers (UAW) e funcionário da John Deere por 19 anos, descreveu corretamente essa oferta como um “tapa na cara”, que viu 10 mil trabalhadores em Iowa, Illinois e Kansas votando 99% a favor da ação de greve, a menos que um novo contrato fosse apresentado.

Após várias ofertas rejeitadas, e apesar das manobras da liderança sindical, uma greve total começou em 14 de outubro.

Desde abril, mil mineiros de carvão do Alabama estão em greve contra a Warrior Met. A empresa tentou repassar aos trabalhadores as perdas incorridas pela queda da demanda durante a pandemia, fazendo novos contratos com salários e condições inferiores.

Agora os preços do carvão estão subindo novamente para abastecer a indústria pesada em todo o mundo, mas os patrões se recusam a ceder nessa disputa especialmente acirrada.

Os fura-greves intimidaram e atacaram ativistas da United Mine Workers of America (UMWA), com vários casos de veículos sendo colididos com suas linhas de piquete, colocando vários ativistas no hospital.

Mesmo assim, os mineiros estão se mantendo firmes. Em um protesto fora dos escritórios do Warrior Met, o ativista da UMWA, Dedrick Garner, declarou:

“Essa intimidação não me assusta… O que você faz hoje afeta o que acontece com você amanhã. Então, se você não se levantar, você vai cair mais tarde.”

Em quatro fábricas diferentes da Kellogg’s, 1,4 mil trabalhadores também estão em greve desde 5 de outubro. Sendo um alimento básico popular, as vendas de cereais aumentaram em mais de 8% em 2020, com o CEO da Kellogg’s, Steven Cahillane, embolsando cerca de US$ 11,6 milhões naquele ano.

Apesar disso, a Kellogg’s anunciou planos de cortar 212 empregos em sua fábrica de Battle Creek, Michigan, como parte de um processo de “racionalização”, e ameaçou terceirizar ainda mais empregos para o México se o Bakery, Confectionery, Tobacco Workers and Grain Millers International Union (BCTGM) respondesse com uma ação de greve.

Além disso, os chefes da Kellogg’s estão removendo as provisões de custo de vida e atacando o pagamento de feriados e férias, ao mesmo tempo em que introduzem um sistema de pagamento e benefícios de duas camadas, para os funcionários atuais e novos. Ao mesmo tempo, a empresa espreme os trabalhadores por cada gota de lucro.

Há um ano, éramos considerados heróis, ao trabalharmos durante a pandemia, sete dias por semana, 16 horas por dia. Agora, aparentemente, não somos mais heróis. Muito rapidamente, você pode ir de herói a zero”, disse Trevor Bidelman, presidente da BCTGM Local3G, empregado na fábrica da Kellogg’s em Battle Creek.

Ele continuou:

“Não temos fins de semana, na verdade. Trabalhamos os sete dias da semana, às vezes de 100 a 130 dias seguidos. Durante 28 dias as máquinas funcionam e depois descansam três dias para a limpeza. Sequer nos tratam tão bem quanto tratam suas máquinas.”

A celebração hipócrita dos “trabalhadores-chave” pelo establishment capitalista durante a pandemia, seguida por esses ataques renovados, contribuíram para uma mudança de consciência entre os trabalhadores norte-americanos, especialmente quando se fala de “recuperação” econômica, embora frágil.

Isso, por sua vez, está levando a uma maior disposição para o revide.

Aos exemplos acima, podemos adicionar trabalhadores de comunicações na Califórnia, trabalhadores de trânsito no Texas, funcionários de obras públicas em Minnesota, trabalhadores de restaurantes em Illinois, trabalhadores domésticos em grupo em Connecticut, trabalhadores graduados em Harvard e na Universidade de Columbia e trabalhadores em padarias em Portland.

Todos realizaram greves nas últimas semanas. Essas explosões de agitação trabalhista sinalizam uma camada subterrânea de ressentimento da classe trabalhadora, construída após décadas de cortes e traições, finalmente vazando pelas fendas abertas pelo impacto da Covid-19.

Greves minadas

A direção sindical está tentando controlar a crescente assertividade da classe trabalhadora e liquidou uma série de grandes batalhas.

Por exemplo, 60 mil trabalhadores de toda a indústria de cinema e televisão dos EUA, organizados pela Aliança Internacional de Funcionários de Palco Teatral (IATSE), estavam preparados para sair para a maior greve de Hollywood desde a Segunda Guerra Mundial.

A pandemia impulsionou os lucros de empresas como Netflix, Hulu, Disney e Amazon a níveis estonteantes, à medida que seus serviços de streaming forneciam a maior parte do entretenimento de mídia para o público preso em casa devido aos bloqueios.

As chamadas produções de “novas mídias” possuem orçamentos comparáveis ​​aos grandes lançamentos de filmes, US$ 465 milhões no caso da nova série O Senhor dos Anéis da Amazon Prime.

Mas empresas como a Amazon fizeram lobby com sucesso junto ao governo dos Estados Unidos pelo direito de contratar trabalhadores baratos e com menos proteções, em comparação com as equipes “tradicionais” de cinema e televisão.

Além disso, embora as provisões de almoço para os trabalhadores de Hollywood (que não foram atualizadas desde a década de 1980) estipulem um intervalo de uma hora a cada seis, as grandes empresas podem simplesmente engolir uma “penalidade de refeição” e insistir em que as filmagens continuem indefinidamente.

Um membro da equipe de produção entrevistado para o grupo de defesa dos trabalhadores, More Perfect Union, disse:

“Eu fiz um programa este ano que custou US$ 12 milhões por episódio, para uma empresa (Amazon) cujo CEO acabou de ir para o espaço, e estávamos programados para dias de 16 horas e sem intervalo para o almoço, para um programa de seis meses.”

Os trabalhadores relatam adormecer no set. Desmaios de fome. Um trabalhador de Hollywood recentemente teve um acidente de carro fatal devido à fadiga: o custo fatal de forrar os bolsos de Jeff Bezos.

Mas apesar do apoio quase unânime entre os ativistas de base à greve, ela foi cancelada no último minuto em 18 de outubro, após um acordo entre os negociadores do IATSE e os barões da mídia.

O acordo inclui um aumento salarial retroativo de 3% – apesar do índice de inflação anual ter chegado a mais de 5% em julho de 2021. O acordo aparentemente estipula um tempo de resposta diário de 10 horas, embora esse ainda seja um dia de trabalho punitivo em comparação com muitos outros setores.

E apesar de introduzir penalidades mais altas para as empresas que não oferecem intervalos adequados para as refeições, empresas como a Disney e a Amazon consideram essas multas como parte do “custo de fazer negócios” nas sessões longas.

O acordo também cobre apenas 40 mil trabalhadores da indústria de cinema e TV, deixando dezenas de milhares do lado de fora do circuito.

Essas “concessões” são uma ninharia em comparação com o que poderia ter sido ganho com a mobilização adequada dos membros do IATSE e certamente permitirão que os gatos gordos de Hollywood respirem aliviados.

Enquanto isso, 2 mil trabalhadores, organizados pelo Sindicato dos Carpinteiros do Noroeste, lançaram uma greve em setembro.

Esses trabalhadores reclamaram que os salários não acompanharam o custo de vida, enquanto US$ 200 milhões foram perdidos de seus fundos de pensão – coincidindo com o maior boom de construção na história da área do estado de Seattle e do estado de Washington ocidental, em 2020/21.

Em várias ocasiões, os burocratas sindicais tentaram encerrar a greve prematuramente, negociando acordos irrisórios com os patrões e minando deliberadamente a greve. Isso causou indignação entre os trabalhadores comuns.

Art Francisco, presidente de um grupo radical de base de Peter J. McGuire Group, afirmou que os líderes sindicais selecionaram canteiros de obras vazios como locais de piquete e se recusaram a permitir um piquete no campus Westside Redmond da Microsoft: cuja reforma representa o maior trabalho de construção na costa oeste.

Isso aparentemente levou a uma “disputa louca de gritos entre principalmente os [membros do sindicato que trabalhavam no projeto da Microsoft] e a liderança“, em uma reunião de greve, que quase se transformou em uma “luta física”, até que a liderança finalmente concordou em fazer um piquete em Redmond.

Mas, apesar dessa pressão de baixo, a greve de três semanas terminou em uma votação estreita a favor da última oferta dos patrões de um aumento de US$ 10,02 por hora em salários e benefícios ao longo de três anos, depois que os trabalhadores votaram contra os acordos de contrato propostos anteriormente.

Embora seja uma concessão digna de nota, ficou bem aquém das expectativas de milhares de ativistas sindicais.

Como Francisco corretamente apontou em uma entrevista recente, a burocracia sindical dos Estados Unidos tem tratado cada vez mais as organizações de massa “como um corretor de trabalho, não como um sindicato”.

A liderança vê seu papel como a condução de discussões respeitáveis ​​em sala fechada com os patrões para concessões “mutuamente aceitáveis”. Eles abandonaram a luta de classes pela “parceria entre trabalhadores e patrões”.

Desde a derrota histórica da greve da companhia aérea PATCO, na década de 1980, pelo governo Reagan – que foi um duro golpe para a confiança do movimento sindical de base – os líderes sindicais serviram cada vez mais como um jugo sobre a classe trabalhadora organizada, mantendo-a dentro de canais seguros para o capitalismo.

Esse processo foi aprofundado pela crise orgânica do capitalismo em 2008, depois que os líderes trabalhistas impediram a classe trabalhadora de se opor aos cortes e à austeridade.

A burocracia sindical foi recompensada por seus serviços à classe dominante. Nos últimos meses, uma camada de líderes do UAW foi considerada culpada de apropriação indébita e suborno da Fiat Chrysler: um dos maiores empregadores do setor.

No entanto, houve a poderosa greve dos Professores de Virgínia de 2018, onde dezenas de milhares de educadores comuns, desafiando seus líderes sindicais, se engajaram em uma greve radical.

Esse foi um ponto de viragem e inspiração para os trabalhadores em todos os EUA. Foi seguido por um aumento na atividade industrial, incluindo uma grande greve na General Motors em 2019.

A pandemia interrompeu essa tendência por um tempo, mas os trabalhadores dos Estados Unidos agora estão começando a desatar o nó da história.

As bases em choques com a burocracia

O impacto da crise pandêmica tem cada vez mais colocado os trabalhadores comuns em conflito, não apenas com os patrões, mas também com sua liderança colaboracionista de classe.

Os líderes do UAW tentaram repetidamente evitar a greve da John Deere, garantindo acordos ruins com os patrões. Isso foi recebido com oposição furiosa por ativistas de base.

Em uma reunião do Waterloo, Iowa, UAW Local 838, os membros publicaram sua resposta concisa à última oferta negociada de seu sindicato em suas camisetas: “Porra, não”. Um membro supostamente pegou o microfone e disse que o acordo servia apenas para “limpar minha bunda”.

Posteriormente, os dirigentes sindicais tentaram conter a greve na décima primeira hora por meio de um post no Facebook, à meia-noite do vencimento do antigo contrato (1º de outubro), declarando a prorrogação das negociações, e que os membros deveriam “apresentar-se ao trabalho amanhã”.

Essa foi uma tentativa óbvia de descarrilar a greve, que teve de ser repelida pela pressão popular.

Um membro deixou seus sentimentos revelados em um comentário sobre a postagem original: “O que aconteceu com todas as bobagens de que ‘Vou atacar se for provocado’? Qual é a definição sindical de provocação? Podemos conseguir camisetas dizendo ‘Recuarei se for ameaçado?‘”.

Esse confronto entre a liderança e as bases vem de anos de acordos entre o UAW e os grandes empregadores automotivos, que viram os salários e as condições serem cada vez mais prejudicados, especialmente para os novos contratados.

Cansados ​​do comportamento de seus dirigentes sindicais, os membros de base – organizados no grupo Unite All Workers for Democracy (UAWD) – agora estão pressionando por um sistema direto de um membro e um voto para as eleições para os órgãos dirigentes do sindicato.

No entanto, se tal sistema for implementado, no contexto de uma eleição sindical nacional, o dinheiro da campanha e a possibilidade de viajar ainda dão uma vantagem aos titulares. Não há atalhos para retomar o controle do sindicato, os membros devem se organizar em todos os lugares.

Os Teamsters [caminhoneiros], que adotaram o modelo de um membro/um voto na década de 1990, também estão vendo uma luta entre as novas camadas insurgentes e a velha burocracia – representada respectivamente nas listas de Teamster United e Teamster Power para a eleição presidencial do sindicato.

A lista liderada por Sean O’Brien, líder do Teamster United (ou “OZ”), parece ter a vantagem com os membros até agora.

O’Brien foi impulsionado pela fúria dos membros contra o atual presidente, James Hoffa, que supervisionou um acordo que permitiu a criação de uma camada inferior de motoristas de entrega “uberizados” e casualizados nas negociações com a UPS.

Hoffa também se recusou sistematicamente a liderar os trabalhadores da Teamster em ações industriais, favorecendo acordos nos bastidores com os patrões.

Como afirma o organizador da OZ, Ken Paff: “queremos um sindicato que não diga aos membros o que não pode ser feito. Queremos um que diga: ‘Quando os membros quiserem lutar, estaremos lá com eles ombro a ombro’”.

Uma vitória de OZ certamente seria um passo em frente para a classe trabalhadora norte-americana. Há claramente um apetite por uma luta emergindo das fileiras do movimento dos trabalhadores dos EUA, e estamos começando a ver camadas mais radicais sendo empurradas para frente para desafiar o domínio da velha burocracia.

Esses novos líderes serão colocados à prova no próximo período. No final, seu sucesso dependerá de se eles estão dispostos, não apenas a desafiar os empregadores individuais, mas o próprio sistema capitalista.

Mudança de consciência

Durante a pandemia, milhões de trabalhadores foram chamados a fazer enormes sacrifícios “pelo interesse nacional” – unidos contra o inimigo comum da pandemia. Muitos foram confrontados com a escolha de arriscar sua saúde no trabalho ou sobreviver com esmolas do governo.

Perdas terríveis foram infligidas, incluindo um número maior de mortes do que os norte-americanos enfrentaram durante a gripe espanhola. Uma enorme fúria se acumulou contra os capitalistas podres e gananciosos e seus comparsas políticos, que supervisionaram esta catástrofe.

Agora, porém, a pandemia parece estar diminuindo, os lucros estão disparando e, ainda assim, em muitos lugares não há trégua das pressões exercidas sobre os trabalhadores durante o que deveriam ser circunstâncias excepcionais.

Além disso, as condições de vida são constantemente prejudicadas pelo aumento da inflação. Na verdade, os salários reais ainda estão abaixo dos níveis pré-pandêmicos e caíram continuamente no ano passado.

Portanto, enquanto os jornais falam em recuperação, as famílias trabalhadoras não a sentem no bolso. Juntamente com a riqueza desavergonhada e altamente visível dos mais ricos da sociedade, que nos Estados Unidos acrescentaram US$ 1,8 trilhão às suas fortunas durante a pandemia, um número crescente de norte-americanos decidiu que basta.

Tudo isso está impulsionando muitas camadas da classe trabalhadora para a cena de luta para manter suas condições e exigir de volta o que lhes é devido.

A confiança deles é reforçada pelo fato de que o boom econômico levou a uma escassez generalizada, que já comentamos em outro lugar. Pela primeira vez em uma geração, os trabalhadores estão começando a sentir que são eles que influem, e não os patrões.

Não devemos exagerar esses desenvolvimentos. A representação sindical nos EUA permanece historicamente baixa (embora tenha subido pela primeira vez em 2021, mas apenas ligeiramente) e essas greves são apenas o ensaio geral para confrontos muito maiores que estão por vir.

Os Democratas – que historicamente trabalharam lado a lado com a burocracia sindical para impedir os trabalhadores de lutar abertamente – querem desesperadamente sair à frente e cooptar essa energia radical.

Vendo a escrita na parede, Joe Biden propôs a Lei de Proteção ao Direito de Organização (ou PRO). Isso aumentaria a capacidade dos trabalhadores de se organizarem e enfraqueceria as leis anti-sindicais de “direito ao trabalho” que existem em 27 estados. Biden sabe que é improvável que isso seja aprovado no Senado dos EUA.

Mas mesmo que isso aconteça, está longe de ser o que é necessário, porque não revoga a legislação antissindical existente, como a Taft-Hartley. Na realidade, o objetivo principal dessa lei é tentar canalizar a crescente militância da classe trabalhadora por um caminho seguro, onde esteja segura sob o controle da burocracia existente, dos Democratas, do Conselho Nacional de Relações Trabalhistas e dos canais legais.

O que a classe trabalhadora dos EUA precisa é de organizações e líderes de luta sérios. Isso permitiria aos trabalhadores exercer seu poder com independência, generalizar essas várias lutas e lutar por grandes conquistas, como um salário mínimo de US$ 1 mil por semana vinculado à inflação, saúde universal de alta qualidade e – o mais importante – um partido político próprio.

Há um grande apetite por isso, tanto nas organizações de massa quanto na sociedade em geral. Em uma pesquisa Gallup de setembro de 2020, 65% dos entrevistados (e 77% dos menores de 34 anos) disseram aprovar os sindicatos, empatando com 2003 e 1999 como o nível mais alto de apoio público nos últimos 53 anos.

Além disso, embora a maior parte da força de trabalho tenha menos de 34 anos, isso representa apenas uma fração da força de trabalho sindicalizada. À medida que as condições de vida ficam sob pressão cada vez maior, mais e mais dessa camada será lançada à luta. Muitos desses jovens trabalhadores radicais verão as organizações de massa como um meio de lutar por seus interesses.

Uma vez nos sindicatos, eles irão somar sua oposição aos covardes e capituladores líderes trabalhistas, e lutar para transformar os sindicatos de cima a baixo em instrumentos genuínos de luta de classes.

No conjunto, estamos vislumbrando o início de uma virada na história dos trabalhadores dos Estados Unidos.