A terapia de choque de Milei provoca uma rebelião na província de Misiones

O que começou como um protesto de professores por aumentos salariais expandiu-se para um motim policial duma semana e uma rebelião popular de professores, trabalhadores da saúde, energia e outros funcionários públicos na província de Misiones, no extremo nordeste do país, a 1.000 km da capital Buenos Aires.

[Source]

Os professores de Misiones, entre os mais mal pagos do país, protestavam há quase um mês, exigindo um aumento salarial de 100%. Desde a chegada de Milei ao poder, eles quantificam que o poder de compra de seus salários caiu pela metade.

Não se trata apenas de salários. Um jornalista local descreve assim a situação: “escolas que não têm papel higiénico ou aquecimento, deixaram de servir pequeno-almoço a alunos carenciados e a pagar a cuidadores“. Houve um colapso total do sistema educativo como resultado direto da inflação e dos brutais cortes orçamentários do governo Milei.

Na quinta-feira, 16 de maio, um grande grupo de professores em dificuldades invadiu o edifício legislativo provincial. Paralelamente, na madrugada de sexta-feira, 17 de maio, cerca de 600 polícias cercaram o Comando Radioelétrico, o centro de comando da polícia na capital provincial, Posadas, com pneus em chamas, e montaram um acampamento. O protesto foi composto por polícias aposentados, mas também aqueles em folga, com os seus familiares. Os polícias também exigiram o mesmo aumento que os professores: 100%.

O acampamento de protesto, que cresceu para cerca de 1.000 pessoas, continuou durante todo o fim de semana, apesar das ameaças do governo nacional de sanções e de envio da gendarmeria contra os polícias amotinados.

A resposta do Ministério da Segurança, nas mãos de Patricia Bullrich, foi formar um “Comité de Crise” composto pela Gendarmaria Nacional, Prefeitura, Polícia Federal Argentina, Polícia de Segurança Aeroportuária e Serviço Penitenciário Federal. “A revolta da polícia é inadmissível, algo completa e totalmente fora da lei“, disse Bullrich.

A polícia amotinada respondeu formando um “Comité de Crise Popular” conjuntamente com os professores. Quando as forças federais encontraram a polícia amotinada, foram rapidamente forçadas a recuar por medo de provocar um confronto armado sangrento. Ramón Amarilla, porta-voz da polícia rebelde de Misiones, disse que “em Misiones há uma ditadura disfarçada de democracia“.

Na terça-feira, surgiu uma situação sem precedentes. Os professores rejeitaram o acordo alcançado pelas suas direções sindicais filiadas no CTA para um aumento salarial de 30 por cento, que consideram totalmente insuficiente. Em resposta, decidiram bloquear a Rota 12 na Ponte Garupá. Foi lá que eles receberam um telefonema do representante dos policiais em luta para se juntarem ao acampamento. Os professores submeteram-no a uma assembleia e decidiram deslocar-se 20 quilómetros até ao Comando Radioelétrico e montaram o seu acampamento a cerca de três quarteirões do da polícia. Houve, claro, recriminações, pois os professores não se esqueceram de todas as ocasiões em que a polícia os reprimiu.

Depois de algumas discussões, ouviram-se cânticos comuns de “unidad de los trabajadores, y al que no le gusta, se jode, se jode”! Logicamente, não podemos confiar naqueles que há apenas alguns meses reprimiram os trabalhadores, mas o motim policial revela a podridão do Estado, a corrupção e, acima de tudo, a profunda crise económica que empurra os trabalhadores do Estado como um todo para a luta.

O brutal ajustamento imposto aos ombros da classe operária, e em particular aos funcionários públicos, acabou por quebrar, ainda que temporariamente, o próprio aparelho do Estado, neste caso as forças repressivas. É um sintoma insurrecional.

Essas pessoas são trabalhadores como nós e todos temos os mesmos problemas“, declarou o representante dos policiais amotinados, Ramón Amarilla. “Ouvi um professor dizer que nos chocámos com eles muitas vezes. Peço-lhes desculpa em nome das autoridades que nos enviam para fazer coisas que não deveríamos fazer. Fazem-nos lutar contra os pobres.

Na quarta-feira, 22 de maio, e depois na quinta-feira, 23, sexta-feira, 24, foi a vez dos trabalhadores da saúde, também organizados a partir de baixo e saltando sobre os seus dirigentes sindicais, se juntarem à luta tomando conta das instalações provinciais do seu Ministério. Os sindicatos, tanto a CTA como a CGT, tinham assinado um ridículo aumento salarial de 28 por cento, que os trabalhadores não podiam aceitar. Outros profissionais de saúde juntaram-se aos professores; e à polícia em protesto, montando seu próprio acampamento.

Na quinta-feira, 24 de maio, um grupo de centenas de yerbateros (produtores de erva-mate) que vieram à capital protestar contra as medidas de Milei para liberalizar a entrada de produtos importados e eliminar os preços mínimos estabelecidos pelo INYM (Instituto Nacional da Erva-Mate), juntou-se ao protesto.

No mesmo dia, milhares de trabalhadores em luta marcharam até ao edifício da legislatura provincial e foram duramente reprimidos pelas forças policiais que defendiam o edifício.

A explosão social em Misiones, que ameaça alastrar-se a outras regiões, é o resultado direto das medidas de choque ultraliberais que Milei tem vindo a implementar desde que chegou ao poder, há apenas seis meses. Em particular, é uma resposta ao corte nas transferências para as províncias, incluindo o Fundo Nacional de Incentivos aos Professores (FONID), ao brutal ajustamento fiscal, à liberalização de todos os aspetos da economia, ao despedimento em massa de funcionários públicos, à liberalização das tarifas de serviços como a água, a eletricidade, aos cortes nas pensões, etc.

Estas medidas tiveram consequências económicas terríveis que foram suportadas pela classe trabalhadora e pelos sectores mais pobres da sociedade. A motosserra de Milei não cortou a casta política como ele prometeu, mas atacou a maioria trabalhadora. A inflação mantém-se nos 280% ao ano, o peso sofreu uma desvalorização maciça (15% só na última semana), centenas de milhares de trabalhadores perderam os seus empregos no sector público e privado, a taxa de pobreza subiu de 47% para 55% da população e a atividade económica entrou em colapso. O salário médio dos trabalhadores está agora abaixo do nível de pobreza.

O Banco Central (BCRA) anunciou que, só no primeiro trimestre do ano, foram encerradas cerca de 275 mil ‘contas-salários’, valor que representa entre 2% e 3% do total de contas bancárias utilizadas para creditar salários, revelando que, em apenas 3 meses, foram pelo menos despedidos 275 mil trabalhadores.

Em março, o Estimador Mensal da Atividade Económica (EMAE) registou uma queda homóloga de 8,4%, sendo os números da construção (-29,9%) e da indústria transformadora (-19,6%) ainda piores. A utilização da capacidade instalada no setor industrial foi de apenas 53,4% em março, uma queda de 13,9 pontos percentuais em relação ao mesmo mês do ano passado.

O impacto da brutal recessão faz-se sentir na indústria pesada. As siderúrgicas Acindar Arcelormittal, com 3.000 trabalhadores, ficaram fechadas por um mês, devido à queda abrupta nas vendas de 35% a 40%, afetada pelo impacto da recessão e da alta inflação, além do efeito dominó da paralisação da construção e obras públicas.

Há também um lockout na fábrica de Alvear da General Motors, que emprega 1.100 trabalhadores, onde a produção foi interrompida por causa das cheias no Brasil. A Toyota vai despedir 400 trabalhadores e a Renault anunciou mais 270 despedimentos.

O Índice de Consumo do Banco Província, que acompanha o consumo das famílias com cartões de crédito e débito, registou uma queda de 35% em abril face ao ano anterior. Na parte sul pobre e operária da conurbação de Buenos Aires, o número era de 43%.

Enquanto o FMI e os comentaristas económicos internacionais aplaudem Milei por alcançar um superávit fiscal primário, a classe trabalhadora que paga a conta não está preparada para ficar de braços cruzados.

Uma explosão social era inevitável, e agora começou em Misiones, mas poderia facilmente espalhar-se por todo o país, onde os trabalhadores estão em condições semelhantes, ou piores. Na província vizinha de Corrientes, policiais também saíram à rua para exigir um aumento salarial.

Em apenas seis meses, já vimos duas greves gerais de 24 horas convocadas (com relutância) pela burocracia sindical, e uma mobilização massiva em defesa da universidade pública com a participação de quase um milhão só em Buenos Aires.

No entanto, o que estamos testemunhando na última semana em Misiones vai além disso. As lideranças sindicais foram ultrapassadas pelas bases auto-organizadas, enquanto a repressão é incapaz de controlar o motim policial.

Existem outros sintomas. Em Catamarca, no nordeste do país, 140 trabalhadoras da fábrica da Textilcom ocuparam as instalações da empresa para evitar o seu encerramento, sob o lema “as máquinas são nossas”. As ocupações de fábricas que vimos no “argentinazo” de 2001 estão de volta.

Mais importante ainda, os batalhões pesados da classe trabalhadora – os metalúrgicos – rejeitaram um aumento salarial abaixo da inflação que o seu sindicato UOM tinha proposto num referendo.

Há sinais de que a luta está se espalhando para Rosário, Mendoza e Buenos Aires.

A pressão de baixo está abrindo fissuras no topo. Os planos de Milei foram derrotados no Senado; o “Pacto de Base” que ele queria assinar com os governadores regionais até 25 de maio como forma de dar legitimidade duradoura ao seu programa está a fracassar; e a direita tradicional de Macri e o PRO, um componente-chave da maioria governista de Milei, começam a distanciar-se do presidente ultraliberal.

Essas divisões também refletem os interesses de alguns setores da burguesia nacional que foram atingidos pelas políticas de Milei.

A burguesia argumenta abertamente que a economia está em grave depressão, agravada pela abertura às importações, o que significa um duro golpe para as médias e pequenas indústrias e empresas. Isto sem falar no Regime de Incentivos aos Grandes Investimentos (RIGI), um pacote de benefícios fiscais e cambiais para o investimento estrangeiro que permite às indústrias estrangeiras investir e transferir os seus lucros para as suas empresas-mãe, sem lhes cobrar quaisquer impostos ou royalties. Esta é a política ditada diretamente sob a tutela do embaixador norte-americano Marc Stanley e da câmara empresarial norte-americana AmCham.

Milei parece não querer recuar, embriagado com o sucesso do comício da extrema-direita europeia em Madrid, que o animou. A certa altura, uma parte da classe dominante argentina pode chegar à conclusão de que o incendiário deve ser retirado da Casa Rosada por medo de que o fogo os queime a todos.

Nestas condições, um plano nacional de luta que incluísse uma greve geral ativa, com mobilizações de massas, colocaria o governo nas cordas e poderia preparar as condições para a sua queda.

A burocracia sindical da CGT e dos CTAs só está disposta a pedir o mínimo que puder, a fim de libertar a pressão. A greve geral de 9 de maio foi passiva, sem qualquer mobilização. É necessário que a própria classe operária e seus representantes de base assumam a liderança, com base em comités de luta democráticos e auto-organizados, coordenados em cada setor, em cada província e a nível nacional.

Diante da crise aguda que a Argentina enfrenta, o que está na ordem do dia é uma insurreição nacional, para que todo o país se levante como Misiones, e para que o povo trabalhador tome as rédeas do país.

Join us

If you want more information about joining the IMT, fill in this form. We will get back to you as soon as possible.