O mito de Joe Biden: 8 mentiras desmascaradas

Existem muitas ilusões em Joe Biden, inclusive à esquerda. Mas, embora possa não ser tão abertamente racista e cruel como Donald Trump, Biden não é amigo dos trabalhadores. Ele representa o mesmo sistema opressor e brutal do capitalismo dos Estados Unidos, assim como seu predecessor. Neste artigo, respondemos a oito mentiras sobre o “Tio Joe”, o principal representante do imperialismo dos EUA.


[Source]

Em abril, Joe Biden completou 100 dias na Casa Branca. Sua presidência “estadista” recebeu aplausos de porta-vozes do establishment em todo o mundo.

“A liderança global dos EUA positiva, baseada na prosperidade revivida e no multilateralismo, está voltando”, comentou o jornal liberal Observer na Grã-Bretanha. “Mais do que Trump jamais fez, Biden está tornando a América grande novamente”.

No entanto, longe de supervisionar uma nova era de prosperidade, Biden busca resgatar o sistema capitalista de uma crise existencial, sem resolver nenhum dos problemas fundamentais que pressionam insuportavelmente os trabalhadores e a juventude nos Estados Unidos e internacionalmente.

E, embora ele possa apresentar uma face mais amável do que a de seu predecessor nos assuntos de Estado, a natureza brutal, exploradora e racista do capitalismo dos EUA permanece fundamentalmente inalterada sob a supervisão de Biden – tal como ele próprio prometeu aos doadores ricos na campanha eleitoral.

Aqui nos ocuparemos dos mitos comuns e equívocos sobre Biden, expondo o “Tio Joe” como ele realmente é.

1) “Ele tem um programa econômico progressivo e radical”

Biden liderou uma “nova direção” (confirmada na recente reunião do G7 na Cornualha), na qual as classes dominantes internacionalmente estão gastando a partir de cima para evitar erupções sociais a partir de baixo na esteira da pandemia da Covid-19.

Este é o verdadeiro propósito de sua agenda de múltiplos trilhões de dólares de “Reconstruir Melhor”, que ganhou comparações brilhantes na imprensa oficial ao programa de gastos do “New Deal” de Franklin D. Roosevelt, que buscou estabilizar o capitalismo dos EUA durante a Grande Depressão.

As três partes principais do programa de Biden são: o Plano de Resgate Americano de subsídios, de redução de impostos e financiamento adicional para famílias, pequenas empresas e serviços sociais (US $ 1,9 trilhão); o Plano de Emprego Americano para renovar a infraestrutura em ruínas (US $ 2 trilhões); e o Plano das Famílias Americanas para investir em creches, educação, seguro-desemprego e saúde (US $ 1 trilhão).

Os US $ 7 trilhões no total serão pagos por uma combinação de receita tributária e uma injeção maciça de dinheiro impresso do Tesouro dos Estados Unidos.

Esta é certamente uma série robusta de medidas de gastos, e milhões de famílias americanas sem dúvida serão gratas pelos cheques de estímulo e pela redução de impostos durante a pandemia, que os ajudaram a manter a cabeça acima da água.

Mas o alarde de gastos realmente começou sob a última administração, com a Lei de Ajuda, Socorro e Segurança Econômica pelo Coronavírus (CARES, em suas siglas em inglês) de US $ 2,3 trilhões em março de 2020, complementada por US $ 900 bilhões aprovados em dezembro de 2020, que forneceu esquemas de licenciamento e apoio para setores fechados da economia durante o bloqueio.

Donald Trump não é conhecido por sua generosidade. Mas, independentemente de quem se senta na Casa Branca, era óbvio, do ponto de vista da classe capitalista, que o Estado seria forçado a intervir para evitar que toda a economia quebrasse durante a pandemia.

Caso contrário, o dilúvio resultante de pobreza e emprego significaria “os forcados sendo brandidos contra o próprio capitalismo”, para citar o Financial Times (FT).

A situação continua precária, e Biden não tem pressa em retornar ao credo da responsabilidade fiscal e orçamentos equilibrados, o que ameaçaria a recuperação econômica da América.

Deve-se notar que o plano de US $ 7 trilhões completo é mais como um pontapé inicial, que a oposição Republicana continuará a negociar para baixo. Mas seja qual for a forma em que for aprovado, o problema é que não há almoços grátis (ou cheques de estímulo) sob o capitalismo.

Embora o Plano de Resgate de Biden possa evitar um cenário apocalíptico para o capitalismo dos EUA no curto prazo, ele está criando problemas para o sistema no futuro.

Os economistas já estão alertando sobre a “estagflação” ao estilo dos anos 1970, dadas as pressões inflacionárias criadas pelos gastos de Biden, juntamente com a baixa produtividade da mão de obra dos EUA e o risco de novas variantes da Covid-19 prolongarem a pandemia.

E, mesmo que as medidas de gastos de Biden sejam significativas, elas não vão longe o suficiente. Seu plano de infraestrutura (que pode falhar em qualquer caso devido ao bloqueio Republicano), destina US $ 300 bilhões por ano – o que a Sociedade Americana de Engenheiros Civis diz que não é suficiente para manter a infraestrutura existente, muito menos atualizá-la.

Há também o lado protecionista do plano, com subsídios estatais usados ​​para manter a competitividade das empresas americanas (exportando desemprego para o exterior), e centenas de bilhões alocados para reforçar as cadeias de abastecimento dos EUA, ajudando assim os EUA a se desacoplarem da China.

US$ 120 bilhões foram reservados para pesquisa e desenvolvimento em tecnologias-chave, como Inteligência Artificial (IA) e computação quântica, para evitar que os EUA sejam flanqueados pela China. O que isso realmente expõe é o fato de que o capital privado não fará tais investimentos em pesquisa, preferindo repousar parasitariamente em pesquisas financiadas pelo Estado, das quais retirará todos os benefícios.

Enquanto isso, o objetivo principal do Plano das Famílias Americanas é subsidiar a creche para que os pais possam voltar a trabalhar após a pandemia e começar a gerar lucros para os patrões. Mas muitas reformas críticas realmente necessárias para as famílias nos Estados Unidos, na verdade, estão visivelmente ausentes.

Por exemplo, Biden discretamente retirou uma promessa eleitoral de apoiar o cancelamento de US$ 10.000 da dívida estudantil por pessoa. Ele também rejeitou os apelos para cancelar até US$ 50.000 por pessoa por meio de ordem executiva. Essas medidas – voltadas principalmente para os jovens apoiadores de Bernie Sanders – ficaram escondidas na grama alta.

Também se acabou com o salário-mínimo de US$ 15 por hora, conforme prometido na campanha eleitoral, apesar da inflação corroer rapidamente os salários. Enquanto isso, a moratória sobre os despejos está definida para terminar em 30 de junho, na sequência de uma decisão do tribunal de que qualquer prorrogação seria “inconstitucional”. Esperava-se que os planos de estímulo de Biden pudessem conter uma extensão adicional, mas, em vez disso, eles alocam apenas US$ 30 bilhões em financiamento adicional para programas de emergência de alívio de aluguel.

Um programa econômico genuinamente radical e progressista certamente eliminaria o aluguel não pago acumulado durante a pandemia, que custou a milhões de americanos comuns o seu sustento, sem culpa própria. Em vez disso, Biden passou a ficar do lado dos proprietários, com a consequência de que muitas famílias logo poderiam se ver nas ruas.

E apesar da pandemia de coronavírus expor o estado lamentável do sistema de saúde dos Estados Unidos, Biden se recusou veementemente a considerar cuidados de saúde verdadeiramente gratuitos e universais. Em vez disso, ele simplesmente vai tocar nas bordas do Affordable Care Act de Obama. Isso apesar do fato de que uma proporção maior (e crescente) de cidadãos americanos, nas pesquisas recentes, favorece o “pagador único” em relação ao modelo atual (36% em comparação aos 26%).

Enquanto milhões de trabalhadores norte-americanos pagam caro por atenção médica e prêmios de seguro, e outros milhões carecem de cobertura, Biden opta por ignorar essas desgraças em favor das seguradoras e dos gatos gordos dos fornecedores médicos privados.

As medidas de gastos de Biden são um testemunho da natureza parasitária do capitalismo dos EUA, que é sustentado apenas pelo pulmão de ferro das finanças públicas e é incapaz de atender às necessidades básicas da sociedade: empregos, habitação, educação, creches e saúde.

2) “Ele defende os oprimidos”

Após quatro anos do fanático reacionário Donald Trump, os grupos oprimidos nos Estados Unidos e em todo o mundo certamente deram um suspiro de alívio após a posse de Biden. Mas enquanto Biden orgulhosamente apregoa seu (muito exagerado) apoio aos direitos civis e à sua primeira vice-presidente negra no governo do país – além de fazer barulhos conciliatórios no rescaldo do movimento Black Lives Matter (BLM) – qual é o seu histórico real?

O início da carreira de Biden pinta um quadro duvidoso. Como senador em Delaware, Biden ficou ao lado de segregacionistas na oposição ao “transporte em ônibus” – uma medida de integração em que as crianças eram transportadas para fora de suas áreas locais para diversificar a composição racial das escolas.

A eficácia do transporte em ônibus permanece controversa, mas tal foi a oposição militante de Biden (por “motivos pragmáticos”, para não ofender os eleitores suburbanos brancos) que até mesmo o organizador do KKK, e mais tarde líder da maioria Democrata no Senado, Robert Byrd, supostamente pensou que ele levou as coisas longe demais.

Biden também escreveu a Lei do Crime de 1994, que levou ao encarceramento em massa de homens principalmente negros e latinos, um ato que ele defendeu até 2016 para “restaurar as cidades americanas”. E ele apoiou consistentemente a desastrosa “Guerra às Drogas”, que mais uma vez levou à morte em massa e à prisão de jovens negros e latinos da classe trabalhadora.

Embora o gabinete de Biden tenha sido celebrado como o “mais diversificado de todos”, como vimos no passado com nomes como Colin Powell e Condoleeza Rice, a questão principal não é a cor da pele, mas quais interesses de classe representam.

Além da vice-presidente, a “superpolicial” Kamala Harris – cujo próprio histórico como Procurador-Geral da Califórnia inclui manter inocentes na prisão, defender a pena de morte e proteger policiais assassinos – a galeria de bandidos do gabinete de Biden inclui gente como Lloyd Austin III. O primeiro secretário de Defesa negro também é membro do conselho do empreiteiro militar Raytheon, que fez uma matança vendendo bombas para a Arábia Saudita para uso no Iêmen.

O histórico de Biden sobre as mulheres e os direitos LGBT também é altamente suspeito. Ele se opôs ao direito ao aborto em vários graus ao longo de sua carreira política, e se queixou, durante o histórico caso Roe vs. Wade em 1973, de que não acredita que “uma mulher tenha o direito exclusivo de dizer o que deve acontecer com seu corpo”.

Em 1981, ele aprovou a “emenda Biden”, impedindo que a ajuda dos EUA fosse usada para pesquisas biomédicas relacionadas a abortos. E ele continua a apoiar a Emenda Hyde, que impede o dinheiro do Medicaid de financiar o aborto “a menos que a gravidez seja resultado de estupro, incesto ou coloque a vida de uma mulher em perigo”.

Isso sem mencionar as várias alegações sobre o comportamento impróprio de Biden em relação às mulheres, incluindo as alegações de Tara Reade de que ele a assediou quando ela era uma assistente de equipe de 23 anos em 1993. Sua futura Vice-Presidente Harris disse que ela “acreditava” nesses acusações, mas deixaria para a consciência de Biden se ele confessaria ou faria qualquer coisa a respeito. Ele não fez nenhuma das duas coisas.

E, em uma demonstração repulsivamente cínica do establishment cerrando fileiras, o Departamento de Justiça de Biden também avançou com um processo por difamação movido pelo ex-presidente Trump contra um escritor que o acusou de agressão sexual. Finalmente, o Departamento de Justiça de Biden concordou em “defender vigorosamente” uma isenção religiosa da lei de direitos civis, que permitiria que escolas financiadas pelo governo federal discriminassem crianças LGBT.

Em suma, o apoio de Biden à justiça social são palavras vazias. Sua carreira política o expõe como um aparatchik de um sistema capitalista racista, sexista e homofóbico – e suas visões pessoais pertencem a um século diferente.

3) “Ele está reformando a polícia”

Após o brutal assassinato de George Floyd nas mãos do policial Derek Chauvin no verão passado, Biden prometeu ação urgente, prometendo a criação de uma comissão nacional de supervisão da polícia nos primeiros 100 dias de sua presidência.

Isso, é claro, teria sido uma boca desdentada e uma concessão vazia destinada a direcionar a raiva fervente, que animou os protestos do BLM do ano passado, para canais seguros. No entanto, mesmo essa promessa não foi cumprida.

Biden admitiu que a comissão foi posta de lado para manter o foco na Lei George Floyd de Justiça no Policiamento, que ele prometeu que se tornaria lei no aniversário da morte de seu homônimo (25 de maio de 2021) e que garantiria maior responsabilização para a polícia. Esse prazo também veio e se foi, e a lei ainda está definhando no Senado.

Nesse ínterim, os tiroteios policiais sob Biden permaneceram estáveis ​​(apesar da pandemia mantendo milhões dentro de casa), com 406 assassinatos desde janeiro até o momento. A mudança de pessoal na Casa Branca não fez diferença material.

As vítimas incluem o latino de 13 anos, Adam Toledo, que foi baleado em 29 de março após colocar as mãos vazias para o ar. E a poucos quilômetros do julgamento pelo assassinato policial de George Floyd, um jovem negro, Daunte Wright, foi morto pela polícia durante uma parada de trânsito em Minneapolis. Conforme o veredicto de Chauvin se aproximava, Minneapolis foi militarizada em preparação. E um dia depois de Chauvin ser considerado culpado de assassinato, um homem negro de 40 anos, Andrew Brown, foi baleado enquanto fugia em seu carro.

Como dissemos durante os protestos do BLM no ano passado, racismo policial, brutalidade e assassinatos não são o caso de algumas maçãs podres. Todo o aparato de aplicação da lei dos Estados Unidos está podre até o âmago, devido ao seu papel como defensor armado do explorador e racista sistema capitalista dos Estados Unidos.

O próprio Biden é parte integrante desse vil aparelho de Estado. Como mencionado, seu legado inclui a desastrosa Lei do Crime de 1994 e a Guerra às Drogas. E seu círculo íntimo está repleto de antigos aliados do governo Bill Clinton que trabalharam para capacitar a polícia a agir com impunidade.

O canto da sereia de Biden sobre a reforma policial deve ser rejeitado pelos trabalhadores e jovens dos EUA, que só farão justiça real às vítimas da violência policial com base em sua própria força, mobilização e organização.

4) “Ele reverteu a política de imigração de Trump – chega de crianças nas gaiolas!”

Poucas coisas mudaram fundamentalmente em termos da política de imigração dos EUA sob Biden, cujo governo prendeu 170.000 migrantes na fronteira somente em março.

Este é o número mais alto em 15 anos e inclui milhares de crianças desacompanhadas, que são colocadas em “instalações de detenção”, onde correm sério risco de infecção por Covid-19. O governo Biden até reabriu uma instalação da era Trump para crianças desacompanhadas em Carrizo Springs, Texas.

Imagens contrabandeadas para o mundo exterior mostram “pods” [“cápsulas”] destinados a 32 pessoas contendo até 600 crianças. Elas costumam ser mantidas em cativeiro por até duas semanas, sem acesso regular a comodidades básicas como chuveiros e escovas de dente. Essa política cruel não é surpreendente, dado o papel de Biden na organização de deportações em massa durante o governo Obama, que foi o primeiro a introduzir a política de enjaular os migrantes na fronteira.

Longe de estar sob controle, a infame agência da Immigration and Customs Enforcement (ICE) assinou novos contratos lucrativos no valor de US $ 260 milhões com prisões privadas para manter suas instalações de detenção. Esses contratos incluem a sugestão de que os detidos sejam forçados a realizar trabalhos braçais por “US$ 1 por dia” – o que equivale à escravidão.

A vice-presidente Harris deixou a atitude do novo governo em relação à imigração muito clara em uma recente viagem diplomática de três dias à Guatemala, El Salvador e Honduras, avisando sem rodeios aos possíveis migrantes: “Não venham. Não venham … os Estados Unidos continuarão a fazer cumprir nossas leis e proteger nossas fronteiras.”

O Departamento de Justiça de Biden até assumiu a responsabilidade de representar ex-membros da administração Trump, que enfrentam ações judiciais por danos causados pela política de separação de famílias.

Longe de uma mudança de curso, o governo Biden continua a evitar, atormentar e expulsar as vítimas desesperadas da pobreza, da violência e do imperialismo, que arriscam suas vidas nas passagens de fronteira para buscar uma vida melhor.

5) “Ele vai lutar contra a crise climática”

Um dos primeiros atos de Biden como presidente foi voltar a aderir aos Acordos de Mudança Climática de Paris, que foram abandonados por Donald Trump. Incentivos de energia verde, veículos elétricos e energias renováveis também são proeminentes em seu plano de infraestrutura, com US $ 282 bilhões comprometidos com o desenvolvimento de medidas de resposta climática na próxima década.

Mas essa quantia teria que ser investida a cada ano e ser igualada por governos ao redor do mundo, para atender a modesta meta dos Acordos do Clima de Paris de restringir o aquecimento global a 2° C neste século.

Além de ficar bem aquém do alvo, os interesses imperialistas sustentam a política climática de Biden, que busca vencer a China em tecnologias verdes e a Rússia em gás natural. E quando Biden pressionou por uma pausa em novos arrendamentos para o desenvolvimento de combustível fóssil em terras e águas públicas, isso foi bloqueado nos tribunais.

É possível que as políticas de Biden sejam uma bênção para os grandes poluidores e barões do petróleo. Como explica o FT: “Os Democratas, junto com a meta moderada do movimento ambientalista, estão, de fato, ajudando a salvar a indústria de combustíveis fósseis dos EUA do excesso de construção e superprodução”.

Isso se deve ao contínuo entusiasmo de Biden pelo gás natural, que os capitalistas do petróleo estão bem-posicionados para explorar por meio do processo de fraturamento hidráulico, também apoiado por Biden, que é prejudicial para o meio ambiente. Ao mudar o foco, a indústria conseguiu estabilizar seus lucros.

Além disso, apesar da promessa de eliminar os subsídios estatais às empresas de combustíveis fósseis para ajudar a financiar o programa de infraestrutura, essas empresas continuarão a embolsar bilhões todos os anos por meio de subsídios implícitos.

Isso ajuda a explicar por que o Índice de Exploração e Produção de Petróleo e Gás da S&P subiu cerca de 35% após a posse de Biden, apesar de seu compromisso declarado com o combate às mudanças climáticas. Claramente, os poluidores o veem como um aliado e não como uma ameaça.

Junto com Obama, Biden supervisionou a expansão mais acentuada da produção de petróleo da história dos Estados Unidos. Ele está cercado por defensores da indústria de combustíveis fósseis, incluindo o secretário de energia Ernest Moniz, que fazia parte do conselho de uma das empresas de energia mais poluentes da América, a Southern Company, com sede na Geórgia.

A empresa de Moniz, Energy Futures Initiative (EFI), também conduziu uma pesquisa paga pela Southern California Gas (SoCalGas), que foi ameaçada com uma ação judicial por usar dinheiro de clientes para se opor a políticas favoráveis ​​ao clima.

Portanto, não é surpresa que, apesar de bloquear o projeto do oleoduto Keystone XL de alto perfil (que aparentemente estava falhando de qualquer forma), Biden se recusou a interromper a construção de mais de 20 novos projetos, incluindo a Linha 3 e os oleodutos de acesso Dakota.

Apesar de Biden fazer do clima uma das principais áreas de discussão na recente reunião do G7 (um dos “três Cs” ao lado de Covid-19 e China), ele toca o segundo violino para representar as exigências do capitalismo dos EUA, que é organicamente incapaz de resolvendo este problema.

6) “Ele está liderando a campanha contra Covid-19”

A recusa imprudente de Trump em levar a pandemia a sério significou que os EUA foram duramente atingidos pela Covid-19, com o maior número oficial de mortos no mundo, agora mais de 600.000.

Apesar de um início lento, 306 milhões de doses de vacina já foram administradas nos Estados Unidos, embora pareça que Biden ficará aquém de sua meta de dar a 70% dos adultos americanos pelo menos uma dose até 4 de julho.

Mas enquanto as coisas estão melhorando no front doméstico, Biden tem sido um jogador importante no espetáculo nojento do nacionalismo de vacinas, continuando o foco de Trump em reabrir a economia dos EUA a todo custo, em vez de resolver esta crise global.

Durante meses, os EUA receberam dezenas de milhões de doses em excesso, incluindo um estoque da vacina AstraZeneca, que ainda não foi aprovada pelo FDA.

Biden ignorou os apelos de seus aliados europeus para desistir de parte do excesso de oferta da América para ajudar a lidar com a escassez crônica no início do ano.

O presidente também deu continuidade à política de “tempo de guerra”, instituída por Trump, de embargo à exportação dos produtos Covid-19. Isso causou estragos nas cadeias de abastecimento globais de produção de vacinas e forçou os países afetados pela Covid, como a Índia, a implorar publicamente por um adiamento.

E, apesar de recentemente fazer a sugestão provisória de que as proteções de Propriedade Intelectual (PI) sobre as vacinas Covid-19 deveriam ser dispensadas, por meses, Biden continuou a usar o veto dos EUA na Organização Mundial do Comércio para rejeitar essa medida.

Isso reflete a pressão dos capitalistas da Big Pharma, que estão tirando uma fortuna com vacinas desenvolvidas nos Estados Unidos. A consequência é que bilhões de pessoas em países pobres permanecem não vacinadas, transformando-as em criadouros de novas variantes. Isso inclui a variante Delta altamente contagiosa, que ameaça a recuperação dos Estados Unidos, tendo sido associada a 10% dos novos casos de Covid-19 no país.

Biden está mudando apenas ligeiramente sua abordagem porque o impacto das isenções das vacinas sobre os lucros imediatos da Big Pharma diminuem a ameaça a todo o sistema capitalista se novos surtos não forem evitados.

Além disso, embora Biden tenha prometido doar 500 milhões de doses aos países pobres, isso foi principalmente em resposta à diplomacia da vacina da China e da Rússia, que usaram o Sinovac e o Sputnik V como uma forma de soft power [poder brando] para fortalecer suas alianças. E, coletivamente, o G7 resolveu fornecer menos de 10% das doses necessárias para combater a Covid-19 em todo o mundo.

Longe de liderar o mundo na longa noite da Covid-19, Biden está ajudando a prolongar este desastre de saúde, potencialmente, nos próximos anos.

7) “Ele tem uma política externa sensata – chega de fogo e fúria”

Qualquer esperança de que Biden seguiria uma política de “paz, amor e compreensão” com os rivais da América foi frustrada. Sua postura em relação à China representa, no mínimo, um endurecimento.

Continuamos a testemunhar o colapso da globalização e a ascensão do protecionismo, que já estava em movimento antes, mas foi acelerado pela Covid-19.

A rivalidade entre os EUA e a China está no cerne desse processo. Na verdade, ela sustenta toda a agenda “Build Back Better”, que é em parte uma tentativa de alcançar a China, que se recuperou mais rapidamente da pandemia do que seus rivais ocidentais.

O declínio relativo do imperialismo dos EUA, a ascensão da China e a queda inexorável em direção a políticas de “empobrecer o vizinho” terão um efeito depressivo em toda a economia mundial, significando turbulência econômica e social para milhões de pessoas.

A diminuição da posição do capitalismo dos EUA no cenário mundial significou que Biden não foi capaz de alcançar uma frente única no G7. Cada vez mais, os imperialistas estão zelando por seus próprios interesses estreitos e nacionais.

Em outros lugares, Biden está continuando o trabalho sangrento do imperialismo dos EUA, embora sem a encenação de Trump. Por exemplo, ele recentemente reiterou seu apoio de longa data ao direito de Israel à “autodefesa” depois que as FDI lançaram uma série de ataques aéreos mortais em Gaza.

E, apesar de alertar a Arábia Saudita de que ele encerraria “todo o apoio americano às operações ofensivas na guerra no Iêmen, incluindo vendas relevantes de armas”, se o número de civis mortos continuasse a aumentar, nada foi feito até agora.

Além disso, Biden manteve violentas sanções econômicas contra Cuba, incluindo todas as novas medidas introduzidas por Trump, e anteriormente apoiou a tentativa de golpe ridícula de Juan Guaidó na Venezuela, a quem ele ainda reconhece como o presidente “legítimo” do país.

Então, no mês passado, Biden aprovou sua primeira ação militar: um ataque aéreo no leste da Síria, supostamente contra “grupos militantes apoiados pelo Irã”, matando pelo menos 22 pessoas em desafio à lei internacional.

O papel instrumental de Biden na chamada Guerra ao Terror e no bombardeio da Iugoslávia pelos EUA-OTAN, sob a administração Clinton, significa que ele se sente confortável e experiente na administração da barbárie do imperialismo dos EUA.

A classe dominante se sente muito mais confortável com Biden, que habilmente coloca uma face respeitável nos procedimentos, do que com Trump, que muitas vezes expôs a horrível realidade.

8) “Ele cobrará impostos dos ricos”

Para ajudar a financiar seus planos de gastos, Biden se comprometeu a aumentar as taxas, nas faixas mais altas de impostos, para as taxas da era George W. Bush – de 37% para 39,6%: dificilmente uma medida radical. Além disso, ele pretende aumentar a alíquota do imposto corporativo de 21% para 28%.

No entanto, como confirma um vazamento recente da ProPublica, independentemente das taxas oficiais, os bilionários mais ricos não pagam quase nada em impostos (uma taxa de cerca de 3,4% dos 25 maiores). O mesmo é verdade para as maiores empresas americanas, cuja taxa de imposto efetiva real é de 11,7%: menor do que a da maioria dos Estados membros da UE.

E, em qualquer caso, lacunas no sistema significam que os ricos não terão que se preocupar com as medidas de Biden, como o FT comenta: “Na ausência de reforma tributária, em oposição a aumentos nas manchetes, as propostas de Biden oferecem uma ilusão de mudança”.

Mesmo a duplicação para 40% do imposto sobre ganhos de capital não realizados no momento da morte (uma tentativa de fechar uma brecha de evasão fiscal) fará pouca diferença para os jovens bilionários como Mark Zuckerberg do Facebook e Jeff Bezos da Amazon.

“Eles ainda podem tomar empréstimos, no papel, contra seu patrimônio e compensar os juros sobre o imposto de renda”, escreve o FT. “De acordo com o código tributário bizantino da América, essas opções de redução de impostos são quase infinitas”.

E Biden espera usar a influência financeira da América para manter seus negócios competitivos, “encorajando” os aliados a igualar um novo imposto mínimo global sobre as corporações dos EUA por meio de “desincentivos financeiros”.

Em outras palavras, ele pretende forçar os outros países capitalistas a seguirem seu exemplo, para que as empresas americanas não saiam perdendo. Estas não são ações de um Robin Hood presidencial, mas de um hipócrita imperialista.

A capacidade ilimitada dos ricos de sequestrar sua riqueza e evitar o coletor de impostos significa que um programa progressivo real deve ser pago expropriando a riqueza obscena dos bilionários, que enriqueceram a alturas cada vez maiores durante a pandemia.

Nenhum apoio a Biden!

Dada a ausência de uma direção genuína de esquerda, é compreensível que os trabalhadores comuns e os jovens em todo o mundo tenham certas ilusões em Biden. Especialmente após a loucura racista e imprudente da administração Trump.

Isso sem falar que os líderes do movimento dos trabalhadores se atropelaram para babar o novo presidente. Mesmo os chamados socialistas cantaram seus elogios.

Mas cada concessão que Biden oferece agora está sendo adicionada a uma conta que se espera que os trabalhadores e jovens dos EUA paguem, com juros, no futuro.

Uma crise titânica está sendo preparada pelos esforços desesperados da classe dominante para evitar um colapso sistêmico: isso é o que a farra de gastos de Biden representa. Enquanto isso, a barbárie diária do imperialismo norte-americano e a opressão do Estado continuam em ritmo acelerado.

Biden promete um retorno ao status quo, mas este último já era intolerável antes da pandemia. De forma distorcida, isso explica, em primeiro lugar, a eleição de Donald Trump, em quem 74 milhões de americanos votaram pela segunda vez. Muitos deles acreditam que Biden “manipulou” as eleições de 2020.

Da mesma forma, o histórico movimento BLM do ano passado é um reflexo do potencial insurrecional que existe sob a superfície. Não importa quais ações a classe dominante empreenda, o período futuro será de intensificação da luta de classes.

Se isso explodir sob a supervisão de Biden, ele usará todos os meios brutais do Estado dos EUA para restaurar a ordem nos interesses dos capitalistas.

É dever dos socialistas e das direções dos trabalhadores internacionalmente dissipar quaisquer ilusões em Biden. Ele não é um aliado ou modelo para nosso movimento, mas a figura de proa escolhida de um sistema assassino, podre e maduro para ser derrubado, e servirá seus interesses até o fim.