Brasil: Comunicado à Imprensa de Rafael Prata, assessoria de comunicação da Flaskô - fábrica sob controle operário

Com ordens judiciais e mandatos de prisão contra os dirigentes da fábrica que está sob controle operário, a decisão é passar a administração para um interventor a mando dos antigos patrões. O interventor já demitiu 50 trabalhadores, a começar por todos os membros do Conselho de Fábrica eleitos em assembléia.

Polícia Federal expulsa trabalhadores da Cipla e Interfibra e ameaça a Flaskô

Cerca de 150 homens da Polícia Federal invadiram a Cipla em Joinville/SC ontem (31 de junho) e colocaram os trabalhadores para fora. Com ordens judiciais e mandatos de prisão contra os dirigentes da fábrica que está sob controle operário, a decisão é passar a administração para um interventor a mando dos antigos patrões, os irmãos Anselmo e Luís Batschauer, que respondem por inúmeros crimes cíveis, tributários e trabalhistas, devido a dívidas e corrupção. Até o momento, o interventor já demitiu 50 trabalhadores, a começar por todos os membros do Conselho de Fábrica eleitos em assembléia. Além disso, a PF confiscou todos os bens que estavam na empresa, incluindo os de uso pessoal dos trabalhadores. Também cancelaram os telefones e os e-mails corporativos, na tentativa de impedir e vigiar a comunicação. Imediatamente, uma campanha de moções se iniciou pelo país e mundo afora (ver embaixo) e dois atos públicos se realizam neste momento. Um em frente à portaria da Cipla, com funcionários da empresa (que se recusam a aceitar a intervenção) mais os apoiadores de todo o Brasil. Outro na fábrica ocupada Flaskô (Sumaré/SP) que ainda não está tomada pela PF, apesar de pertencer ao mesmo grupo econômico.

Entenda o caso Há quase cinco anos, os trabalhadores da Cipla e Interfibra (de Joinville/SC) e da Flaskô (Sumaré/SP) ocuparam as empresas e as colocaram para funcionar, em resposta às ameaças de fechamento das fábricas e ao não pagamento de salários e direitos atrasados. Dessa forma, os trabalhadores mantêm os empregos, a produção e os salários, enquanto levantam uma campanha nacional e internacional de solidariedade. A cobrança é para o governo Lula reconhecer o parecer técnico do BNDES/BADESC que afirma a viabilidade das empresas, caso o passivo seja transformado em ativo, mediante a encampação pelos entes públicos. O documento faz jus à reivindicação dos trabalhadores de nacionalização das companhias, tal qual ocorre na Venezuela e na Bolívia.

Afinal, cerca de 80% da milionária dívida que pesa sobre as empresas são com os cofres públicos e com os direitos dos trabalhadores, como FGTS e INSS recolhidos e não depositados. Tais valores nunca foram cobrados dos antigos donos, mas agora que as fábricas foram recuperadas pelos próprios trabalhadores, inúmeras ameaças jogam contra a determinação dos operários em manter seus postos de trabalho e o sustento de suas famílias. Leilões de bens, máquinas e equipamentos, ações de penhora de faturamento e ameaça de prisão dos dirigentes se tornaram rotina, apesar das mobilizações em direção ao governo federal e dos acordos feitos com órgãos públicos. No entanto, a decisão judicial favorável a uma ação do INSS, executada no dia 31 de junho por forte aparato policial, ameaça passar a administração a um interventor a mando dos irmãos Batschauer, da mesma maneira como ocorreu com outra fábrica do grupo, a Profiplast (SC) - cujos trabalhadores sofrem com quatro meses de atraso nos salários e com direitos não-pagos. Os trabalhadores não aceitam essa intervenção, resistem na frente da empresa e mantém a disposição de lutar até o fim em defesa dos 1200 postos de trabalho.

Join us

If you want more information about joining the IMT, fill in this form. We will get back to you as soon as possible.